terça-feira, 15 de setembro de 2009

Quantas árvores você jogou no lixo hoje? É melhor ser criativo do que destrutivo


Calma leitor! Não estou querendo dizer que você não se importa com a natureza, mas lamento informar que você fez isso hoje ou ainda fará no decorrer da semana.
O ponto em quero chegar, é a fabricação exagerada de panfletos. Eles sempre param na sua mão e segundos depois no lixo.
obs.: usarei o termo "panfleto" no post, mas me refiro a outros materiais impressos, como folders, flyers, cartazes, folhetos etc.



Veja o ciclo de vida do panfleto:
árvores são derrubadas -> o homem obtém a matéria-prima -> são fabricados os panfletos -> vão para sua mão -> vão para o lixo.
É assim que acontece. Agora repito: quantas árvores você jogou no lixo hoje? Agora talvez você possa responder. É melhor ser criativo do que destrutivo.


O excelente Blogcitário, abordou o tema da panfletagem, eu que adicionei a questão ambiental para fazermos uma reflexão.
No blog, o escritor trata a entrega desse tipo de material como o "spam off line da vida". Pois que atire a primeira pedra(de papel) aquele que consegue ficar um dia inteiro sem ser abordado por entregadores(promotores). É raríssimo! E quando nos entregam, além de muitas vezes não ser nada de nosso interesse, o material não chama atenção, é mal produzido e ainda é entregue por pessoas despreparadas, sem a mínima noção de público-alvo.
Um exemplo disso, é que no Coverama, festival de bandas cover daqui de Aracaju, eu fui abordado por um desses entregadores na hora do show. Como é que o cara vai fazer panfletagem naquele momento?? As pessoas curtindo, bebendo(muitas pentabêbadas), se agarrando e por aí vai. Além de que o material era muito mal produzido.


Para quem costuma ler meu blog, já observou que sou fascinado por ações de guerrilha, por sua eficiência, claro que quando bem feitas.
Hoje em dia, somos bombardeados por centenas de mensagens publicitárias. Elas estão nos outdoors, nos pontos de vendas, bancas de revista, TV, nossa casa e nesses incovenientes panfletos. O consumidor não é mais impactado pela mensagem como antigamente.


A publicidade começou com caráter informativo, já que era suficiente para anos atrás, depois ela passou a ser também persuasiva. E hoje, digo que além dela ter essas duas características, ela precisa mostrar a cara para o consumidor, que tem que viver a situação que o produto vende/mostra. Como isso? Guerrilha! É ela que tira o produto dos locais comuns e o põe cara a cara com quem tem o poder de compra.


Caso algum empresário esteja lendo esse post ou se você conhece algum, pergunte-se: Eu sou impactado pelo panfleto? Ele é eficaz comigo?
Se sim, continue "economizando" seu dinheiro nesse tipo de publicidade, mas lembre-se que muitas vez o barato acaba saindo muito cara.
Ah... se for mesmo continuar, comece a fazer o serviço de forma criativa, é possível. Como vemos nesses dois vídeos abaixo. O primeiro divulga a Unimed e o mal que traz o cigarro e o Segundo a Regala Memoria, que de quebra conscientiza sobre o Mal de Alzheimer.


Para quem não conseguiu entender o vídeo em espanhol... as pessoas eram abordadas por atores. Elas a tratavam como conhecidas de muito tempo e depois recebiam um panfleto muito simples com o seguinte texto: "Assim se sente uma pessoa com Alzheimer. Ajude-nos a vencê-lo."
Este, muito simples, mas somente pela forma criativa de abordagem, impacta a pessoa de forma surpreendente. Ela sai como se não conhecesse o ator, realmente não conhece, e após ler a mensagem se sente com a doença por alguns instantes. Genial!
Dois tipos de panfletagem diferentes, simples e que por sua genialidade, talvez não precise de tantos materiais para a divulgação, além de que ao invés da pessoa jogá-lo no lixo, talvez ela o guarde e ainda repasse a mensagem.


Um subpost....
Era pra eu atualizar o blog somente com a resposta do post anterior sobre o texto que era pra ser dado a imagem. Somente Élida se manifestou, e respondeu: No dia 6.9, se entrelace. Jontex
É doidera pegar uma imagem "difícil" dessas e dar um título associando a uma marca, mas aqui vai a que eu fiz...

(apoio de Thaisa, Camila e Chawane)

Estamos cada vez mais fortes numa sociedade frágil às diferenças. GLBT


ps: segunda chegando... palestra de guerrilha com Gustavo Fortes \o/

2 comentários:

Caio disse...

Olá Erivaldo, fiquei honrado em perceber que o post que escrevi sobre a panfletagem fez você emitir a sua opinião aqui no seu blog. Quem sabe, a gente não vai conscientizando alguns empresários que essa ação não é bacana? Acredita que lá nos comentários apareceu um sujeito defendo esse tipo de abordagem, confiando apenas em pesquisas? Até parece que ele não passa por esse tipo de problema.

Abs e tbm gostei muito da peça GLBT. Muito boa mesmo.

Erivaldo Ramos Júnior (aka Siri) disse...

Olá Caio, é você o escritor do blogcitário?
Não cheguei a ver os comentários, mas imagino que deva ter gente que defenda isso. Bem, cada um faz o que achar melhor com seu dinheiro. Mas seria interessante que os empresários tentassem; não entendo ainda qual o "medo" deles.
Excelente seu post.

Obrigado pela resposta sobre a peça do GLBT.
abraço