sexta-feira, 2 de abril de 2010

BBB e Web 2.0, uma prévia das eleições 2010

Não importa se você é a favor ou contra o Big Brother Brasil, pois o que verá nesse post é o comportamento do povo brasileiro perante o programa e como a web 2.0 influenciou na vitória de Marcelo Dourado.

Antes de ficar resmugando o porquê de Dourado ter ganho, tenho que ressaltar que existe demanda - grande ou pequena - para todo tipo de produto. Por mais que você tenha escutado em sua rede de amigos que o cara era um imbecil, homofóbico, ignorante e que não merecia ganhar, em outras redes, que faziam parte do público que consumia o produto Dourado, eles reuniam forças e se engajavam através de comunidades e grupos nas redes sociais. Foi assim que nasceu a Máfia Dourada:
O termo criado por Fernanda Conde, uma advogada e usuária ativa da web, fez com que o nicho que consumia Dourado, se engajasse para votar e pedir votos. 
Nesse momento, podemos fazer uma analogia à campanha de Barack Obama - o presidente que contribuiu no boom das mídias sociais pelo mundo. Só que diferente de Fernanda, que foi uma das ativistas pelo movimento Máfia Dourada, Barack Obama foi o candidato que mobilizou seus ativistas - vários! Coisa que Dourado não podia fazer, já que estava confinado.

Esse engajamento em busca da vitória de Dourado, é algo que precisa ser estudado como referência para o que está por vir nas eleições desse ano. O eleitorado vai se engajar pelo seu candidato; alguns com apoio de agências especializadas, outros na base do "amigo, ajuda aê".

Uma coisa divertida para nós e que talvez para muitos candidatos não seja, é que a exposição na mídia de massa faz com que eles se tornem bastante conhecidos por vários nichos de eleitores, e esses, usam e abusam de seus conhecimentos nos softwares de edição para satirizar a imagem dos candidatos, que posteriormente acabam causando verdadeiros virais no ambiente on line e até no off line.
Vejam alguns exemplos na campanha de Obama, como a Obama Girl e as sátiras feitas com o estilo marrento de Dourado:

A produção de conteúdo dos eleitores na internet, será algo que os candidatos não poderão evitar. Terão que aceitar e entrar no diálogo estabelecido nas respectivas redes sociais.

Assim como a campanha histórica de Barack Obama, acredito que veremos algo inovador nas eleições brasileiras. Uma prova disso é que o marketeiro de Obama trabalhará na campanha de Dilma e com a aprovação do uso das mídias sociais na última reforma eleitoral, os candidatos já começaram a se adaptar a esse formato de comunicação.

E após sua vitória, eis que o candidato se manifesta para agradecer sua torcida.
Será o início de uma era marcada pela proximidade e relacionamento do emissor com o receptor da mensagem? Para mim, sim!

3 comentários:

André Telles disse...

Muito bom o post Siri!

Parabéns!

Telles

LeKo disse...

Que post maravilhoso, Siri. A cada dia que passa você sempre surpreende seus leitores, e eu como leito assiduo do seu blog não poderia deixar de comentar sobre esse assunto. Eu assumo que acompanhei alguns momentos do BBB e fiquei PUTO com a vitória do (Tosco) Dourado, porém é como você deixou bem claro no texto, existe segmentação de ídeias e valores pessoais. O Dourado tinha uma grande torcida organizada que uniu forças e deu a vitória a ele. Sem dúvidas ele não teria vencido se não fosse o grande alvoroço gerado nas mídias/redes sociais. Eu assim como você tb acredito que depois desse BBB as proximas edições terá participação ativa dos telespectaroes como formadores de opinião.

Erivaldo Júnior (Siri) disse...

Isso não se aplica apenas ao BBB, Leko. Acredito que onde houver comunicação de massa, haverá cada vez mais uma integração com as mídias sociais.